terça-feira, 11 de outubro de 2011

K42 - Portugal ou Pó de arroz


Não raras vezes enquanto corro ou ando de btt instalam-se músicas na minha cabeça, que me vão acompanhando ao ritmo dos quilómetros. Desta feita foi o Pó de arroz, conhecidíssima música de Carlos Paião mas na versão do Tiago Bettencout. Não faço a mínima ideia do porquê de determinadas músicas me acompanharem ao longo de tantos quilómetros mas não só não me incomodam, como acabam por me ajudar a impor um ritmo mais certo. Christopher Mcdougall no seu Nascidos para correr (título que aconselho a todos, gostem de corrida ou não) refere alguém cujos nome e palavras exactas não consigo recordar mas apenas a ideia que era mais ou menos esta; torna-te amigo da dor e nunca correrás sozinho. No meu caso (além da dor ocasional) quem me acompanha é a música e talvez por isso quando corro sozinho não me custe.
Mas desta feita não foi o caso, corri sempre acompanhado. Primeiro do João e do Germano (para além do já referido Pó de arroz) e depois só do Germano, mas nunca sozinho.

O dia começou cedo, ainda antes de amanhecer. A noite apesar de acompanhada por alguma expectativa foi bem dormida. Vestir, pequeno-almoço pegar no saco e seguir em direcção à Lousã (na companhia do João) onde 42 quilómetros e um desnível ascendente acumulado de 3500 metros nos esperavam. Pelo menos eram estes os dados da organização.
Eram precisamente esses valores que me deixavam algo apreensivo. Confesso que a maior distância que havia corrido até então tinham sido 27 quilómetros com 1400 de acumulado ascendente. Não sabia portanto como reagiria o meu corpo a partir de determinada distância com esta bonita soma de ascensões. O objectivo que tinha traçado era o de chegar ao fim, correr a primeira maratona da minha vida mas neste cenário e com estes números. Fazer uma alimentação e hidratação correctas (a velha história do comer antes de ter fome e beber antes de ter sede) e manter um ritmo que me permitisse passar pelos quilómetros sem arfar era o planeado.

A chegada à Lousã foi rápida. Levantamento dos dorsais, passagem pelo café e preparativos finais. Entretanto encontro o Sérgio e os seus colegas de equipa que ao vê-lo nas suas Salomon novas trataram de o advertir para que não lhes vomitasse em cima. A fama de certas pessoas precede-as. Ao que parece actualmente o Sérgio desenvolveu uma apurada técnica que lhe permite expelir o conteúdo estomacal em andamento e na direcção desejada. É um facto que o hábito faz o monge.

Preparativos mesmo finais e colocámo-nos na linha de partida. O 3,2,1 lá chegou com alguns minutos de atraso e o chão começou a passar-nos debaixo dos pés. Os primeiros quilómetros foram feitos ao longo do rio Ceira ora de um lado, ora do outro, onde a passagem se fazia através do mesmo devido ao baixo caudal. Depois corremos durante alguns quilómetros ao longo de uma bonita levada de água. Foi assim que chegámos ao Candal, bonita e bem arranjada aldeia de xisto onde nos esperava o primeiro abastecimento ao quilómetro 8. Daqui até sensivelmente ao quilómetro 13,5 seria sempre a subir. É um facto que o K42 obrigou-me a redefinir a palavra subir. Grande parte desta subida foi feita com inclinações que variavam entre os 30 e tal e os 56% de declive. Eu sei que parece muito, mas foram os dados registados pelo meu Forerunner 305, sendo que mais adiante o declive ainda aumentou.

Apesar de tudo era uma visão incrível, quer se olhasse para cima ou para baixo ver tanta gente esticada ao longo daquela encosta. É fácil compreender o que leva tanta gente a aderir ao trail run. O facto de se encher a vista com imagens inesquecíveis e toda aquela gente numa comunhão com a natureza e a serra. É um facto que o sofrimento também estará presente, mas é só lá mais para a frente e só ajuda a converter esses, em momentos inesquecíveis.

A chegada aos poços na neve, fez-se na companhia do João e do Germano, bem como a descida até ao Coentral. A descida revelou-se bem mais complicada e penosa que a subida (pelo menos para mim). No Coentral estávamos no quilómetro 19 e no segundo abastecimento. A partir daqui esperava uma segunda parte do percurso menos complicada que nos permitisse aumentar um pouco a média. Não podia estar mais enganado.
Ao quilómetro 12 íamos sensivelmente com 2 horas de corrida. Neste ponto disse ao João –vamos ver como estamos de quilómetros nas próximas 2 horas. Ao quilómetro 21,5 o nosso tempo de corrida era 3 horas e 10. Faltavam-nos apenas 2,5 quilómetros para os 24. Iríamos superar em muito o andamento das primeiras 2 horas e chegar ao terceiro abastecimento no quilómetro 29 dentro das 4 horas. Mais uma vez não poderia estar mais enganado. Levámos uma hora para fazer 3,5 quilómetros. Para isso contribuíram um par de subidas e descidas como eu nunca tinha visto. Passámos dos 1022 metros para os 756 em apenas 600 metros de descida. O declive maior verificado foi de -65%.

O terceiro abastecimento no Talasnal ao quilómetro 29 chegou ao mesmo tempo que as primeiras cãibras do João que o obrigariam a diminuir o andamento. Começamos a perde-lo de vista na descida do Talasnal e perdemo-lo de vez na subida subsequente.

Ao quilómetro 32 começou a doer-me o adutor do lado esquerdo o que me dificultava um pouco a corrida, mas tão perto do fim, não iria ser isso que me impediria de terminar. O Germano também se via com algumas cãibras à porta que ameaçavam entrar a qualquer momento. Foi desta forma que fizemos os quilómetros que nos separavam do último abastecimento ao quilómetro 36. Ainda assim ultrapassámos alguns companheiros de jornada. Daí até ao fim seria sempre a descer, mas nesta altura já não esperava uma “descida normal”. Desta vez não me enganei (infelizmente). A descida foi feita pelas pistas de downhill da Lousã. Mais uma vez muito técnica a puxar muito pelos músculos já algo debilitados. Depois ainda corremos uns 2 quilómetros em estradão e quando faltavam 1800 metros para o final, ainda nos esperava mais um rebuçado com uns declives jeitosos. A Lousã já se avistava lá ao fundo, mas parecia nunca mais se aproximar. O quilómetro que nos levaria à meta foi feito a bom ritmo e como disse o Germano, -agora nem que fosse a rebolar. Lá chegámos lado a lado após 43,9 quilómetros, 3981 metros de acumulado ascendente e 7 horas e 6 minutos de corrida (dados do meu forerunner 305).

Como disse o Germano, podíamos ter ganho 15 minutos nos abastecimentos fazendo paragens mais rápidas, mas desta vez o objectivo não era esse (o meu pelo menos) mas para a próxima é um ponto a rever e a mudar concerteza.
O João chegaria mais tarde tendo ficado pelo quilómetro 36. As cãibras impediram-no de continuar, mas para primeira participação apanhando um percurso destes, foi excelente.
Continuo a gostar cada vez mais disto. Continuo a ficar impressionado quando alguém que está a competir para o campeonato, pára, perde tempo e talvez lugares para ajudar quem precisa, como aconteceu. Revejo-me bastante neste espírito.

Quanto à organização a Go-Outdoor, mais uma vez achei exemplar. A simpatia com que recebem os participantes, faz com que nos sintamos em casa e num ambiente familiar. Para o ano espero fazer o circuito todo, e depois logo se vê.
Agora é tempo de voltar à bicicleta porque para o fim do mês irei até Moimenta da Beira para um fim-de-semana de btt com alguns daqueles verdadeiros amigos. Por agora vou-me manter pela praia, a aproveitar as férias e o tempo excelente que está.

(As fotos utilizadas são do Sérgio Azenha e do Bruno Batista)





4 comentários:

RPires disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
RPires disse...

Muito bom!

Continuação de bons momentos...

Abraço

socrates disse...

Grande Pedro!! .... és mesmo avariado!!!! oAbraço !

Hernâni disse...

Ganda Mákina! 41 km's é obra ainda para mais em todo terreno, cuidado com as entorces:)

abraço